Como as casas são numeradas?

Imagine se as casas não fossem numeradas, se não existissem nomes paras ruas ou muito menos para bairros, seria bem complicado se localizar, não é mesmo? Por isso uma cidade deve escolher a melhor maneira possível para dar uma identidade distinta a cada casa. No Japão, capital mundial das bizarrices, não existem números para casas e muito menos nomes para ruas (em algumas cidades, não em todo o país), a única maneira de se locomover tendo alguma referência é pelos bairros, nestes bairros existem cartazes em paradas de ônibus, no metro ou em estabelecimentos uma espécie de mapa, onde são dados números de referência em determinados pontos do bairro, assim é “só” você procurar a casa ou estabelecimento que está procurando próximo a aquele ponto.

Mazá marco zero!

No Brasil e em muitos outros países do mundo, a maioria das cidades segue o mesmo padrão de numeração para as casas, prédios e estabelecimentos, procurando facilitar a locomoção de quem tenta se locomover pela cidade somente pelos números das casas. O ponto de início da numeração das casas é o chamado marco zero, que geralmente se encontra no centro da cidade e é um forte ponto de referência, como uma praça ou um monumento histórico, depois de encontrado esse ponto de início da numeração das casas é hora de começar a medir e definir o número de cada uma. Em locais onde a numeração não segue esse padrão, podem ocorrer problemas.

Esquerda e direita, ímpar e par

Para facilitar o a localização de determinada casa com determinado número, é escolhido um lado da rua para ter somente números pares (geralmente o lado direito) e o outro somente números impares (na maioria das vezes o lado esquerdo), lembrando que a rua começa sempre do marco zero e este será a referência para lado esquerdo e direito da rua. Depois que já temos o lado direito e esquerdo de uma rua, é preciso medi-la, pois é a sua metragem que dará o número da casa. Por exemplo, uma casa foi construída e sua principal porta de acesso em relação à calçada fica a 180 metros do marco zero, isso significa que ela será a casa número 180 da rua. Mas, e se ela estiver do lado ímpar? Simples, ela será o próximo número ímpar, ou seja, 181.

E se o terreno for dividido em dois?

Neste caso a efetividade da numeração de casas por metragem é posto em prática, vamos usar mais um exemplo. Um terreno tem 10 metros, com uma casa já construída e esta casa é a número 180, o dono então decide vender 4 metros desse terreno do lado que vai em direção ao marco zero, a nova casa que será construída vai com certeza ter o seu número entre 170 e 180, afinal, o terreno tem 10 metros e não sabemos exatamente onde está a porta principal da casa do dono.

Como a população tende a aumentar no sentido da periferia da cidade e não pro centro, é quase impossível que sejam necessários números negativos, afinal, em torno do marco zero nascem outras ruas e nenhuma pode atravessá-lo, o problema é quando as ruas não nascem diretamente do marco zero. Quando uma nova rua é criada e não nasce do marco zero, é medida a distância dos extremos em relação ao marco em uma linha reta, o lado que for mais próximo, será o início da rua e sua numeração crescerá à medida que avance para o lado oposto, se surgirem novos terrenos do lado oposto da rua, provavelmente uma nova será criada.

Para facilitar o seu entendimento, o blog Manual do Mundo explica por meio de desenhos o padrão de numeração da maioria das casas brasileiras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *