As misteriosas linhas de Nazca

É uma grande pena que muito da história da humanidade tenha se perdido com o tempo, seja por incêndios em bibliotecas que abrigavam volumes únicos ou então nunca tenham sido registradas. Por este motivo, muitas culturas nunca puderam sequer ser estudas, outras deixaram alguns registros simbólicos apenas. A civilização de Nazca viveu na terra entre 100 a.C. e 700 d.C. e até hoje é motivo de muito mistério entre geólogos e historiadores, que buscam descobrir o sentido de marcas que deixaram no Deserto de Nazca, no Peru, porém, não são simples marcas, mas sim enormes desenhos com mais de 200 metros de diâmetro.

Civilização de Nazca

Dezenas de desenhos, formas geométricas, espirais e linhas cobrem um deserto de quase 80 km, todos feitos apenas retirando a fina camada de cascalho marrom-avermelhado que protege o solo de cor clara, praticamente retos e sem imperfeições como se tivessem sido feitos por um desenhista gigante. Por que faziam estes desenhos? Como conseguiam ser tão perfeitos em suas curvas se precisavam de uma visão aérea para fazê-lo? Seriam essas marcas para se comunicar com seres que sobrevoavam aquela área?

Até 1930 as linhas de Nazca não haviam sido descobertas justamente por não parecerem nada vistas do chão, porém, depois que aviões começaram a sobrevoar o deserto, elas foram percebidas e viraram assunto de pesquisas arqueológicas que perduram até hoje. O mais curioso é que alguns desses desenhos são simplesmente linhas retas, sendo a maioria feitas sobre elevações, o que acaba parecendo com que tenham sido projetadas como pistas de pouso, onde pudessem usar algum tipo de avião para monitorarem os desenhos que faziam e garantir que seriam perfeitos como são. Uma dessas pistas pouso fica bem no cume de uma montanha, que parece ter sofrido uma terraplanagem para que ficasse reta, pois é perceptível que existe uma descontinuidade nos morros conforme se aproximam do pico.

Entre as figuras espalhadas pelo chão do deserto é possível ver animais como um peixe, um macaco, uma aranha, um cachorro, um beija-flor, uma baleia e alguns humanoides, a teoria mais aceita de sua criação é que Nazca os tinham como deuses e os desenharam no chão em uma escala tão grande para que pudessem realizar rituais de adoração coletiva, seja caminhando sobre as linhas figuras ou então dançando em seu interior. O problema é que ainda assim fica muito difícil de imaginar como as figuras são tão perfeitas, tão retas e proporcionais.

Como não foi possível explicar essas dúvidas, os ufologistas (cientistas que pesquisam atividades extraterrestres) começaram a criar teorias sobre o surgimento de extraterrestres que criaram esses desenhos, ou então o povo de Nazca os criaram para os seus deuses que eram extraterrestres e a mais maluca delas é a de que os Nazcas usaram tecnologia extraterrestre para desenharem o chão do deserto.

Quem é contra as teorias ufologistas diz que não é impossível recriar os mesmos desenhos com a mesma perfeição ou até melhores hoje, o necessário seriam apenas ferramentas simples e de fácil manuseio. Ainda assim é difícil acreditar que um povo que viveu até mesmo antes de cristo tivesse uma inteligência e habilidade tão evoluída assim para criar estas verdadeiras obras de arte que são as linhas de Nazca.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *